Pular para o conteúdo principal

Recolhimento de FGTS para Domésticos é opcional

Aos empregados domésticos é facultado o recolhimento da verba fundiária (FGTS). Ou seja, se recolher uma vez, é obrigado recolher durante todo o contrato laboral. Mas caso não haja interesse do empregador no pagamento desta verba, a lei não impõe nenhuma penalidade para que não quiser se obrigar com mais uma dívida.
A Lei nº 5.859/72 define o empregado doméstico como “aquele que presta serviços de natureza contínua e de finalidade não lucrativa à pessoa ou à família, no âmbito residencial destas”.
A Lei nº 10.208, de 23/03/01, facultou a inclusão do empregado doméstico no sistema do FGTS, mediante requerimento do empregador.
Neste sentindo, o TST, pela 1ª Turma, acatou pedido do ex-patrão de um caseiro e excluiu o pagamento de FGTS das verbas trabalhistas deferidas pelo Tribunal Regional do Trabalho da 18ª Região (Goiás). Segundo o relator do processo no TST, juiz convocado Guilherme Caputo Bastos, “a inclusão do empregado doméstico no FGTS é uma faculdade concedida ao empregador, que não pode ser confundida com uma obrigação”. O empregado alegou que foi contratado para trabalhar como servente na propriedade do empregador, às margens do Rio Araguaia. Contou que recebia os visitantes, levando-os para pescar, dirigindo e fazendo a manutenção do barco, além de permanecer 24 horas nos acampamentos à beira-rio, inclusive nos finais de semana. Acusou o empregador de contratá-lo de forma fraudulenta, pois rescindiu um contrato e iniciou outro em seguida, e que teria sido induzido a assiná-los. Alegou que o patrão tinha a intenção de pagar-lhe o Fundo de Garantia, fazendo-o constar no seu contracheque, iniciando e depois cessando o pagamento.
Na Vara do Trabalho, o empregado pediu o pagamento das verbas rescisórias, inclusive FGTS e horas extras levando em conta a condição de servente, o que foi negado pelo juiz de primeiro grau. Segundo a sentença, as provas e os depoimentos testemunhais confirmaram que o empregado trabalhava como doméstico, atuando como caseiro na casa de campo, que não tinha fins lucrativos, e que foi dispensado sem justa causa depois de sete anos. A sentença determinou a retificação da carteira de trabalho do caseiro, incluindo o vínculo empregatício como uno. Negou o pagamento de horas extras e do FGTS. “Tendo o empregador optado por não inscrever o empregado, não pode ser condenado aos recolhimentos ou ao pagamento de indenização substitutiva por falta de amparo legal”, afirmou a sentença.
No TRT/GO, o empregado insistiu pelo pagamento do FGTS, alegando que não era empregado doméstico. Ainda que o fosse, a lei autoriza o seu pagamento à categoria, e o empregador já havia se manifestado neste sentido. O Regional reformou a sentença, somente quanto ao tópico FGTS. Considerando válidos os demonstrativos de pagamentos juntados pelo empregado, deduziu que o patrão “teve a intenção de incluir o trabalhador no Fundo de Garantia, ao discriminar a parcela no contracheque”.
Contudo, na decisão do TST, o juiz Guilherme Caputo Bastos deu provimento ao processo do empregador. “Tendo em vista a existência de norma jurídica que define forma específica para a inclusão do empregado no FGTS (artigo 3º-A da Lei nº 5.859/72), não há como supor a intenção do empregador de incluir o empregado sem a devida comprovação documental”, destacou. A inclusão de trabalhador no FGTS “se formaliza através de requerimento específico, direcionado ao órgão competente, onde o empregador declara a sua vontade de incluir o seu empregado no Fundo de Garantia”, concluiu o juiz Guilherme Caputo.
Assim, concluímos que aos trabalhadores domésticos (leia-se caseiros, cozinheiras, governantas e dentre outros) somente é obrigado o pagamento do FGTS quando feito requerimento formal de abertura da conta vinculada do trabalhador no órgão competente (Caixa Econômica Federal), para depoistar o fundo de garantia. Ao contrário, não será devido o FGTS a estes trabalhadores.

Comentários

Priscila Leite disse…
Olá querida gostei muito mesmo do seu blog. Gostaria de lhe convidar a conhecer o meu:

http://meublogpessoalpriscilaleite.blogspot.com/


Um grande beijo, fica com Deus

Postagens mais visitadas deste blog

Artigo de Denis Farias

Artigo publicado no jornal "O Liberal", de Belém/PA, de autoria do meu maridinho. Em homenagem à ele.
Cobrança de juros abusivos Edição de 05/11/2008 Jornal "O Liberal" DENIS FARIAS
Certamente a maioria do povo brasileiro já foi ou está sendo vítima da prática de juros escorchantes por parte de instituições financeiras. Entretanto, essa barbaridade do capitalismo selvagem está com os dias contados. A voracidade com que os bancos cobram os juros sofreu um golpe fatal com uma recente decisão do Superior Tribunal de Justiça. Nesse julgado, ficou estabelecido o entendimento de que é perfeitamente cabível a limitação dos juros nos casos em que fica demonstrada a abusividade dos índices cobrados.
O entendimento do Colendo Tribunal é no sentido da possibilidade judicial de limitação da taxa de juros remuneratórios cobrada em contrato de empréstimo pessoal concedido por instituição financeira. A idéia ganhou musculatura depois que o STJ julgou o recurso especial, nº 1.036.818 -…